DOSSIÊ TEMÁTICO: DESENVOLVIMENTO REGIONAL PÓS-PANDEMIA COVID-19

O mundo foi impactado pelos efeitos da pandemia causada pelo vírus Covid-19. A heterogeneidade da reação e estrutura dos países no combate à pandemia tornou-se evidente. As diferenças relativas à inserção desigual na divisão internacional do trabalho e na apropriação da riqueza foram explicitadas com a escassez do acesso a testes para a COVID-19, bem como aos tratamentos disponíveis. A desigualdade social ficou ainda mais evidente perante à pandemia, ao revelar a falta de acesso a saúde e condições para atender às diretrizes da Organização Mundial de Saúde (OMS). Diversos países demonstraram fragilidades para gerar dados sobre o número de infectados e de notificações de falecimentos: situação que explicita a insuficiência dos investimentos em saúde e de estratégias coerentes com a realidade nacional diante da pandemia. O cenário aprofunda os efeitos da desigualdade social e econômica presente nos países em desenvolvimento ao contrastar os recursos disponíveis para a elite econômica em comparação com aqueles para populações periféricas. A demora em reagir ao alastramento da pandemia provocou a rápida elevação da mortalidade e o colapso do sistema de saúde como, na Itália e na Espanha, em razão da falsa percepção de que medidas duras relacionadas ao isolamento social se opunham à lógica econômica. Nos países em desenvolvimento, os efeitos podem ser mais devastadores em razão da precariedade dos sistemas públicos de saúde e dos meios para rastrear a expansão da pandemia.
O cenário explicita a necessidade de ação do Estado, mediante políticas públicas que assegurem acesso a saúde e renda em um período de estagnação das atividades econômicas e a posterior crise econômica. O falso dilema da escolha entre saúde e economia evidencia a limitação da perspectiva centrada no mercado como instância apta a apresentação de soluções para as demandas da sociedade. No Brasil, a insuficiência de insumos para o trabalho das equipes médicas e para a aplicação de testes necessários para a identificação do quadro da pandemia no território nacional, entre outros desafios, indica a urgência de uma estratégia de desenvolvimento nacional centrada em políticas públicas coerentes com a diversidade regional. O reconhecimento da urgência de políticas públicas articuladas à multidimensionalidade do desenvolvimento social e econômico requer a elaboração de uma estratégia nacional apta a contemplar as demandas da sociedade com o enfretamento da desigualdade presente de modo heterogêneo no Brasil. Os efeitos da pandemia indicam a premência de ações centradas na redução das assimetrias sociais mediante estratégias condizentes com a realidade de cada região. O diagnóstico dos impactos da pandemia contribui para a constituição do conhecimento necessário na elaboração e efetivação de políticas públicas. No campo da gestão e do desenvolvimento regional o reconhecimento dos aspectos espaciais e territoriais da pandemia, bem como do papel do Estado na gestão das crises, constitui o escopo das investigações das consequências da disseminação do COVID-19. O dossiê propõe o debate sobre as consequências do COVID-19 para o desenvolvimento regional e acerca das propostas para as estratégias compatíveis ao enfrentamento das fragilidades conhecidas e aprofundadas na crise atual. As limitações derivam da histórica desigualdade estruturante da trajetória brasileira e da inexistência de um projeto de desenvolvimento nacional nas últimas décadas, representadas na agressiva regressão da indústria nacional, evidenciam que somente a elaboração de estratégias coerentes com a realidade nacional e sua diversidade regional possibilitará condições efetivas para uma trajetória compatível com as necessidades da população brasileira. Linha Editorial (temas recomendados): - Impactos econômicos da pandemia Covid-19; - Desigualdade social e os efeitos da pandemia; - O papel do Estado na gestão de crises; - Aspectos espaciais e territoriais da pandemia; e - Abordagem midiática da pandemia.
Datas Importantes: 30 de setembro de 2020 – Prazo final para submissão dos artigos completos. 15 de outubro de 2020 – Divulgação de parecer pelo Conselho Editorial. 15 de dezembro 2020 – Publicação online do dossiê especial (www.rbgdr.net) Diretrizes para os Autores: Os textos devem seguir as diretrizes da Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional http://www.rbgdr.net/revista/index.php/rbgdr/about/submissions#authorGuidelines Submissões: Devem ser feitas exclusivamente pelo sistema de submissão disponível no site www.rbgdr.net
Editores da RBGDR:
Prof. Dr. Edson Aparecida A Querido Oliveira – Universidade de Taubaté/ SP-Brasil - Editor-Chefe
Profa. Dra. Monica Franchi Carniello – Universidade de Taubaté/ SP-Brasil - Editora-Executiva
Profa. Dra. Claudia Terezinha Kniess – Universidade de Taubaté/ SP-Brasil - Editora-Seção
Prof. Dr. Edson Trajano Vieira – Universidade de Taubaté/ SP-Brasil - Editor-Seção
Prof. Dr. Moacir José dos Santos – Universidade de Taubaté/ SP-Brasil - Editor-Seção
Editores Convidados:
Prof. Dr. Cidoval Morais de Sousa - Universidade Estadual da Paraíba (UEPB)/ PB-Brasil
Prof. Dr. Clovis Ultramari – Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR)/ PR-Brasil
Prof. Dr. Eduardo Shimoda - Universidade Candido Mendes (UCAM)/ RJ-Brasil
Prof. Dr. Eduardo Winter - Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI)/ Centro Universitário
Augusto Motta (UNISUAN)/ RJ-Brasil
Prof. Dr. Francisco do Ó de Lima Junior- Universidade Regional do Cariri (URCA)/ CE-Brasil
Prof. Dr. Ivo Marcos Theis - Universidade Regional de Blumenau (FURB)/ SC-Brasil
Prof. Dr. Jandir Ferrera de Lima – Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE)/ PR-Brasil
Prof. Dr. Marcio Moraes Valença - Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em
Planejamento Urbano e Regional (ANPUR)/ RN-Brasil
Prof. Dr. Rogério Leandro Lima da Silveira - Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC)/ RS-Brasil
Prof. Dr. Waldecy Rodrigues – Universidade Federal do Tocantins (UFT)/ TO-Brasil